C O N F E R Ê N C I A

Minha foto
CONFERÊNCIA é a arte de promover o diálogo, fazendo a ponte entre você e a Palavra de Deus. Somos Pastores Conferencistas e Escritores, Ungidos e Capacitados pelo Espírito Santo de Deus para pregar o Evangelho por todas as nações e ganhar almas para Jesus, que nós dá esta determinação e autoridade: Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo(Mt.28.19), desenvolvendo assim, como facilitadores, o seu crescimento humano e espiritual.

Seguidores

sábado, 30 de março de 2013

EM TUA CASA CELEBRAREI A PÁSCOA


Em Tua Casa Celebrarei a
  Páscoa
     Onde queres que preparemos a comida da Páscoa? Perguntaram os discípulos a Jesus. E Ele disse: ide à cidade a um certo homem e dizei-lhe: o Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a Páscoa com os meus discípulos. (Mateus 26.17,18).
     O Senhor quer Cear em tua casa. Já preparou o coração, já avisou toda a família que neste ano, para celebrar a Páscoa, você convidou o príncipe da paz, o maravilhoso conselheiro, Deus forte para se assentar no melhor lugar em tua casa?

     Jesus é a nossa Páscoa, foi sacrificado por nós para nos outorgar a REDENÇÃO, projeto maior de Deus em beneficio de todo ser humano que crê que através Dele recebemos a salvação, vida em abundância e a maior conquista, a da vida eterna. Tudo isso pela graça de Deus, que preparou tudo com muito amor por nós e por você.
     A Páscoa é uma festa sagrada, que relembra o fato histórico da saída do povo de Israel do Egito. Ela comemora a passagem do anjo destruidor pelas casas dos Judeus sem lhes causar dano, devido ao sangue do cordeiro aspergido nos portais e no batente superior das portas das casas (êxodo12.7; Salmo 78.49). O detalhe maior dessa festa é que ela representava a consagração do povo de Deus, tendo em vista sua Redenção do Egito.
     Nesse contexto, qualquer agente que causava fermentação era excluído, simbolizando então o pecado, o fermento, ou a levedura. Por isso a determinação era guardar a festa dos pães asmos (sem fermento) significando o arrependimento, o repúdio ao pecado e a dedicação a Deus por estatuto perpétuo.
     Todo fermento (a corrupção e o pecado) tinha de ser removido das casas dos Israelitas. Entendendo-se assim que suas vidas e seus lares deviam ser consagrados a Deus.
     Como vivemos em tempo de nova aliança, estabelecemos nessa festa um vínculo direto com Jesus, expurgando toda a maldade e malícia da nossa vida para deixar a sinceridade e a verdade que nos liberta de todo mal, através da sua Palavra, entrar em nossa casa.
     A refeição da Páscoa marcava o início da festa dos pães asmos, que profeticamente prenunciava a importância da nossa fé no Cordeiro sacrifical e a obediência a Ele em humilde gratidão.
     Que o nosso culto seja para ensinar aos nossos filhos e gerações futuras a verdade sobre a Redenção da escravidão e do pecado, que Deus efetuara em nosso favor desde sempre.
     Que a nossa casa esteja pronta para Jesus Cear conosco, porque este é o desejo Dele, entrar e permanecer conosco.
By Pastores Conferência

quinta-feira, 7 de março de 2013

POEMA DEDICADO AO DIA INTERNACIONAL DA MULHER


FILHA DA GRAÇA

Poema dedicado a cada prostituta da Via Dutra e das demais estradas da vida.


A triste meretriz
Foi lançada por terra
Pela cegueira da grande prostituta.
Enfraquecida e rejeitada,
Física e moralmente,
Percorrendo noite a dentro
Os corredores do inferno,
 Alquebrada espiritualmente
 Pela força do vento 
Que invade, agora, 
As trevas da sua vida, 
Curva-se ao extremo, 
Degradando-se e sendo aviltada por todos.
Mas eis que uma luz incandescente
 Mira aquele corpo que,
Ardendo em brasas,
Espera de braços abertos, 
O abraço da esperança que, 
Age com poder, 
Levantando-a e curando suas feridas, 
Derrubando as fortalezas 
Da babilônia política, 
Da babilônia religiosa.



Então, 
Face a face com Deus, 
Empoderada pelo seu amor, 
Recebe a autêntica cidadania 
Pela graça de ser 
Filha de Deus, 
Herdeira da paz.




Não houve tempo para Simone, 
Aos trinta e dois anos, 
Já era tarde demais. 
Na sua quarta internação 
No Instituto Nacional do Câncer, 
Deixando envergonhada, 
À merce da sorte, 
Os filhos da cruz, 
Ela vem a falecer.


Doroth lembrava as mulheres 
Retratadas por Di Cavalcanti, 
Na opinião da fotógrafa Nana Moraes que, 
Do glamour ao flash da dor, 
Compreendeu a força do amor. 
História bonita deixou a Doroth que, 
Com Jorge seu marido, e a caçula Dahra, 
Muda de cidade, 
E vai morrer em Fortaleza, 
Lá no Ceará, 
Servindo à nobre causa 
Da exploração sexual 
De crianças e adolescentes.



Em tudo isso cabe a Redenção, 
Pois de pouca valia será 
O trabalho de Ong´s 
E Comissões de Direitos Humanos, 
Que da vida não entendem, 
Que prostitutas possuem 
Alma e espírito. 



Roseli, embora filiada, 
Morreu sem cura, 
Alma ferida. 
Na adolescência estuprada, 
Da sua essência, 
Roubada toda inocência. 
Raiz de amargura 
Espalhada pela Via Dutra, 
Feito punhal irresponsável, 
Penetra bem fundo 
No coração de Bétissa, 
Todas as noites, 
Desde os seus quinze anos. 



É por isso que o evangelho 
É o melhor remédio. 
E a pregação antes da dor, 
A melhor prevenção, 
Para no altar de Deus, 
A filha da graça 
Testemunhar o seu amor. 
Mais que um poema, 
Esta é uma convocação,
Que seja a minha e a sua Oração. 
Que o sangue de Jesus 
Libere o Poder de Deus 
Na Via Dutra da dor, 
Tirando da perdição, 
Cada menina, moça ou mulher, 
Pois prostituta é condição, 
Não é profissão, 
Em cada história, uma razão. 
Transformando o Senhor 
Em filha da graça, 
Ainda com Vida, 
Em herdeira da paz.